quarta-feira, 13 de outubro de 2010

ESSE conjunto de palavras não é um protesto - nunca será!

Em geral, as coisas quando observadas superficialmente, tendem à uma visão enganosa, diferente do que poderia ser. Alguma vez já parou para pensar em quanto tempo acreditou estar agindo de forma "muito errada" quando, na ordem natural, esse erro não é real? Bom, na realidade atual ele está, nós os fizemos estar, caso contrário não pareceriam ser.
Os padrões de certo e errado foram estabelecidos por "eu não sei quem", de "não sei que época", e perduram tarimbados até hoje. Não entendo muito bem e você pode simplesmente me chamar de burra ou complicadora, à belprazer e crescimento individual. Eu acho que são conflitos, e só. Poderiam nem ser nada, nem certo, nem errado - apenas nada. Isso não é um absurdo, partindo do princípio que é apenas uma ocupação, sim, um hobby para pessoas que não encontraram nada o que fazer com suas próprias "cabeças". Enfim, tudo se resume a nada.

Acho curioso, curioso de verdade, ver hábitos julgados e condenados/marginalizados pela gente das cidades - moderníssimos - tomadas com tanta naturalidade entre os 'jacus' desse Brasil. O mesmo Brasil! Respeito a pureza mental deles(só posso falar por mim).. os únicos "puros" até mesmo após o primeiro enteógenozinho.


Enfim, só queria expor esse video sobre enteógenos ou, como dizem os sábios comuns, plantas do inferno:

http://www.youtube.com/watch?v=xqId-jaW-CM&feature=related

Clique no link, se a internet permitir, é claro. Trecho de um dos s. comuns:

"a droga da planta é isso... injeta teu cérebro e tu perde teu automóvel de vista
ai vai praticar erro com a tua mae, com teus filhos, e tua esposa, e quem dira de sua namorada, o problema e outras coisas banais de sua mãe, que te acaleta e vc nao sente sossego, no fundo do arrego, pelejando pra sair fora, drogado, com essa frutinha do zabumba, que prejudica seu coração e seu cérebro de andar a toa, de ilusão."

Tá aí, não é exatamente honorário para os "padrões", mas eu diria adorável. Ao menos fez menção ao cérebro como precursor/mentor da ilusão, não o coração.

E atenção: Essa merda não é, não pretende ser e não será um protesto. Nunca será, afinal, o inimigo agora é outro.
Não estamos aqui(eu não estou, falo por mim) para perder tempo agigantando opiniões duramente consolidadas, polidas com ego especial, detentores da razão e orgulho inflexível.
(E também não temos nenhum tipo de vínculo com medicina xamânica. (Eu não tenho, falo por mim.))