quinta-feira, 3 de junho de 2010

Liberdade acima de tudo

Por que nos limitarmos a um antigo conceito burguês de monogamia? Se outra pessoa te atrai, há um motivo que só cabe a você descobrir.
Cada pessoa em nossa vida é parte do nosso carma de vidas passadas. Então, se os deuses nos mandam alguém, por que questionar?
Temos que dizer “sim” para a vida, para o amor e para o prazer. Temos que dizer “sim”, “sim”, “sim”! Quero cheirá-los, prová-los, senti-los. Posso morrer amanhã. Quero tudo agora. Entende o que eu digo?

6 comentários:

Thaïs disse...

Entendo.

Laura Reis disse...

Sim.

Tio Patinhas disse...

Ao menos algumas pessoas compartilham comigo desta razão.

' rafa teix ♥ disse...

Nice...

Altair de Almeida Costa (Tachinha) disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Altair de Almeida Costa (Tachinha) disse...

Já tinha ouvido falar várias vezes sobre esse tal carma de vidas passadas mas, como católico, não acreditava muito nesse assunto. Um dia, conversando com uma senhora que entende da Doutrina Espírita comecei a discutir com ela os meus questionamentos. Fiquei sabendo que podem existir dois tipos de carma: o por merecimento ou por castigo. Realmente os deuses nos colocam pessoas em nossas vidas que, segundo ela, já se encontraram em vidas passadas; ou será o destino (existe esse tal destino?). É difícil entender o porquê e como certas coisas acontecem na vida de cada um nós, pois, sem mais nem menos nos deparamos com situações para as quais não estávamos preparados e, às vezes, é preciso questionar qual é o meu, o seu ou carma de cada pessoa: merecimento ou castigo? Para descobrir o motivo ou motivos de tal situação em que os tais deuses nos colocam ou das pessoas que aparecem, apareceram ou aparecerão no nosso caminho, ficamos encurralados na dicotomia da dúvida entre a exclamação e a interrogação para saber qual é o tipo do “meu carma” : “Eu mereço!!!” ou “Eu mereço???”